domingo, 16 de dezembro de 2007

A importancia da Memória



Essa semana terminei minha pesquisa no Memoria Abierta, uma associação argentina que procura manter a memoria sobre o sombrio período da última Ditadura Militar naquele paí, entre 1976 e 1983, no qual os números estimados são de 30.000 desaparecidos forçados, além de muitos assassinatos, torturas e exílios.

A proposta do Memoria Abierta, de acordo com a própia página deles é:

Memoria Abierta, Acción Coordinada de Organizaciones argentinas de Derechos Humanos, trabaja para aumentar el nivel de información y conciencia social sobre el terrorismo de Estado y para enriquecer la cultura democrática. Uno de nuestros principales objetivos es lograr que todo registro de lo ocurrido durante la última dictadura militar y sus consecuencias sea accesible y sirva a los fines de la investigación y educación de las futuras generaciones.


O trabalho deles é impressionante, com mais de 600 entrevistas que estão disponíveis para o público -algumas são limitadas pelos própios entrevistados- e inclusive usadas nos julgamentos contra os responsáveis, que estão em andamento no país nesse momento.

Estive lá durante 2 meses, uma experiência muito boa e emocionante. Chorei, ri, tive raiva... é impossível escutar essas histórias sem ter algum tipo de reação. Muitas vezes sai de lá tão triste e incoformada que me isolava, chorava e tinha pesadelos durante a noite. Teve até o dia que eu caí pelas escadas na hora de ir embora de tão distraída que eu tava. Eu passava em média 3,4 horas, 3 vezes por semana. Me envolvi nessas histórias quase como se fossem minhas.

Entre as coisas positivas ficam:

- Principalmente as pessoas que trabalham lá. Eles são uns amores, sempre me trataram com um carinho impressionante, muitas vezes vinham e me abraçavam quando viam que eu chorava ou estava impressionada com algo. Quando tinha festinha, eu ganhava bolo e tudo. Especialmente agradeço à Silvina, responsável pelo arquivo público, que sempre foi maravilhosa desde nosso primeiro contato por email.
- A ima
gem do Brasil. A solidariedade do povo brasileiro foi uma unanimidade. Eu tinha que escutar exilados que foram ou passaram pelo Brasil, e todos falavam bem dos brasileiros, de como foram ajudados. Mesmo aqueles que foram vítimas da Operação Condor.
- A busca
por justiça e memória. Não importa quanto tempo passou, muita gente continua lutando por justiça, sem descanso. O lema "Sin olvido y sin perdón" continua mais forte que nunca.



Um exemplo que deveria ser seguido pelo mundo todo.

Organizações que participam do Memoria Abierta:


2 comentários:

Renato Rosário disse...

Livinha, parabéns pelo término da pesquisa!!!

Como não sei nada sobre o período da ditadura na Argentina, cabe a pergunta: na atualidade, ainda há muita censura à divulgação desses fatos, mesmo sendo um país supostamente mais liberal/democrático que o Brasil?

E, comparando com o que é divulgado da ditadura brasileira, qual possui mais informações disponíveis?

Beijão!
Renato.

NANDO DAMÁZIO disse...

Lívia, tô passando por aqui pra te deixar meu abraço de despedida e desejar que você tenha um Natal inesqueível e que 2008 seja o melhor ano de sua vida !!

Fica com Deus e até breve !!
Nando