quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Pra contar um pouco...

Ainda nem contei nada da viagem surpresa pra Europa. Meu namorado além de lindo e fujão, agora conseguiu um trabalho que manda ele pra Bélgica. E como namorada, fui junto! 20 dias entre França, Bélgica, Alemanha e Holanda dá pra tirar aproveitar, né?

Não podia começar de outra maneira: AMEI BERLIM! Linda, contraditória, compelxa... a cidade é tudo! Ficar caminhando e vendo o caminho do Muro no chão, tentar entender como era a vida por lá há 19 anos, com a divisão física em 2 mundos... Berlim é magnífica!


Vou reproduzir o email que mandei de lá, que acho que descreve bem e mostra como eu tava emocionada com a cidade:

Definitivamente, minha grande e maravilhosa surpresa nessa viagem. Berlim foi aquele destino de última hora, que substituiu Londres (caro demais), então eu já fui sem muitas expectativas... e fiquei apaixonada. Acho que "emocionada" define melhor. A cidade é linda, e diferente dos demais lugares, onde sempre se valoriza a história nacional, Berlim é uma mistura de valorização e crítica. O período nazista é, obviamente, duramente criticado, e a parte da divisão da cidade com o muro foi o que mais me instigou. Mesmo quase 20 anos depois da caída do famoso Muro de Berlim, ele ainda está muito presente. É no mínimo interessante caminhar pela cidade e ver no chão o muro marcado. E tentar entender o que significou isso... Tive a sorte de ter sido recebida pelo casal mais fantástico da cidade, a Esther e o Marcel, e aprendi muito com eles. O Marcel é alemão e tinha 13 anos quando o muro deixou de existir, e me contou muita coisa. Por exemplo, me ajudou a entender o metrô, que é excelente mas cruza toda a cidade, ou seja, passa entre os dois lados! Ele me explicou que o metrô é anterior a 2a Guerra, e que no período da divisão da cidade tinha uma linha da parte ocidental que passava pela oriental, mas não podia parar. E os usuários viam o outro lado, de dentro do trem.


A cidade foi destruída nas duas guerras mundiais, especialmente na segunda, e muitos edifícios só foram reconstruídos com a reunificação, em 1990. Outros, como uma igreja na parte ocidental, permanece até hoje "quebrada", ou seja, um símbolo daquela época.

Confesso que a parte oriental me marcou mais, acho que porque é ali que está a diferença de tudo que já vi até hoje. A torre de TV famosa por ser um dos principais instrumentos de propaganda dos comunistas, as igrejas e museus, e os muitos edifícios que valorizam a vitória sob a França no final do século XIX, que resultou na unificação alemã.

A comida... peço a todos que se levantem e brindem pela comida alemã! Salsichas e mais salsichas, acompanhadas de uma boa cerveja, com mais de 5000 opções. E o melhor: barato. Berlim é um lugar barato, mesmo fazendo o câmbio pro real.

E, pra completar, caiu-se o mito de que o povo alemão é frio. Todos foram muito simpáticos, sem exceção. E nem se importavam se eu falasse inglês.
Fora o mais fofo: o bonequinho do sinal de pedestres! Minha melhor aquisição na viagem foi a essa camisa, com o verde na frente e o vermelho atrás. Eles estão por todos os lados, em chaveiros, copos, tudo!
Todos devem ir a Berlim!

2 comentários:

TaTiTa disse...

Li! Que lindo todo lo que estas viviendo!No lo puedo creer que ya te hayas ido...calculo que algun día vendrás de vista..no?
Como siempre me dormi, pero bueno, sabrás entender el ritmo de esta ciudad que te va a extrañar y te espera cuando quieras.
Besos varios a vos y a Ale y todos los exitos del mundo!
Ta

El Basto disse...

=)