quarta-feira, 18 de agosto de 2010

O estranho mundo do amor


Não, não farei um post meloso sobre meu namorado, nem sobre histórias de amor. Mas, pros que se interessam, recomendo o Túlio, que tá craque nisso (sem ironias!).

Quero falar aqui de outro amor: o que eu sinto pela minha máquina de lavar roupas. Sim, por esse eletrodoméstico hoje ESSENCIAL na minha vida.

Pra quem sempre teve uma, ou pros que sempre tem a roupa linda, lavada e passada sem questionar como isso acontece, esse é um amor ridículo.

Mas se você é como eu, e por quase 4 anos da sua vida foi refém de lavanderia... entende minha paixão.

Tudo começou em 2005, quando me aventurei em um novo país e fui morar em uma residência estudantil. Eu tinha aquela visão romântica de seriado americano, de levar a roupa na lavanderia, fazer amizades, e até tinha a esperança de ou sentar em um carrinho brigando pelo que é meu (como a Rachel em Friends) ou quem sabe, encontrar o amor da minha vida. O fato é que eu achava lindo ter que juntar as moedinhas, descer com o cesto cheio e esperar pra trocar da máquina de lavar pra de passar. Até que vivi essa experiência: nada de belo. Pior, além de ser um saco, de você ficar sem moedas (o que na Argentina é o CAOS), ainda descobri da pior maneira que secadora destrói e encolhe roupas!

Depois comecei a levar a roupa da lavanderia, quando já não morava na residência. A coisa só piorou: somei ao drama o sabão em pó ruim, a roupa misturada, o amaciante que é esfoliante e o drama das roupas perdidas. Até roupa de cama encolheu.

Nesses 4 anos perdi roupas, outras muitas se estragaram, e por um tempo quase sumi tentando emagrecer pra entrar naquelas que encolhiam.

Pois é, por isso que hoje que eu tenho minha querida, fico toda feliz. Que alegria escutar aquele motor escandaloso, quase decolando! Minha roupa macia, branquinha, ou com as cores gritantes, linda.

Sim, eu amo (e muito) a minha máquina de lavar.

PS: Coisas inexplicáveis desse mundo: coloquei "máquina de lavar roupa" no google e apareceram várias fotos do vampiro de Crepúsculo.

domingo, 8 de agosto de 2010

Meio que tô de volta

Ultimamento sinto vontade de voltar a escrever aqui. Na verdade, tenho muitas idéias, e isso me faz querer escrever. Mas sou peguiçosa chego em casa e desisto logo (talvez, assim como a vontade, a inspiração é uma coisa que dá e passa).

Percebi que minha visão de muito está muito "blog". Eu vejo as coisas e penso em um post. Isso em uma época que eu praticamente não uso mais a ferramenta blog, o que é estranho. De qualquer forma, tentarei estar mais presente, e assim tranquilizar essa tal inpiração.

Nesse ritmo, uma música tem me acompanhado. Não, dos dias não tem sido necessariamente lindos como ela faz parecer. Mas ela me alegra. E isso é muito, muito bom. Nesse inverno em que o frio castiga Buenos Aires -e eu resolvo estar logo aqui, logo aqui!- faz bem escutar músicas alegres e felizes assim. Pra lembrar que a vida é, sim, uma gracinha!

http://www.youtube.com/watch?v=sNxm43PwQBo